As doenças reumáticas são a metade das incapacidades laborais

Rigidez nas mãos. EFE/Iván Franco

Sexta-feira 22.04.2016

Terça-feira 12.04.2016

Sexta-feira 30.10.2015

Quinta-feira 22.10.2015

Conforme explicou Moreno na apresentação do 42º congresso nacional da Sociedade Espanhola de Reumatologia (SER), que tem lugar em Barcelona, estima-se que as doenças genéticas podem causar uma perda de 21 milhões de horas de trabalho anuais em Portugal.

As patologias reumáticas -como a artrose, a artrite, a gota ou o lupus – englobam mais de 200 queixas e doenças que afetam um em cada cinco adultos em Portugal.

Moreno salientou também que a prevalência das doenças reumáticas “está em alta”, devido ao aumento da esperança de vida e o envelhecimento da população; se bem que também afetam os jovens e crianças.

De acordo com os responsáveis do congresso, a prevalência entre a população de doenças como a dor ronda os 15 %, a osteoporose e a artrose de joelho em 10 %, a osteoartrite de mãos de 6 %, a fibromialgia, 2,5 % e a artrite reumatóide, 0,5 %.

Por sua vez, a doutora Núria Guañabens, presidente da Sociedade Catalã de Reumatologia, avisou que na Catalunha, a proporção entre especialistas e a população está abaixo da recomendada pelos organismos internacionais e garantiu que os profissionais devem lidar com uma “pressão assistencial” crescente.

De acordo com Guañabens, foram aposentados, muitos reumatologista nos últimos anos e seus vagas não foram preenchidas com novos especialistas, em condições muitas vezes “instáveis”, e essa situação também se dá em outros pontos de Portugal, como Ibiza, onde há apenas um reumatólogo.

Por sua parte, o chefe do serviço de reumatologia do Hospital Universitário de Bellvitge, o doutor Joan Miquel Nolla, indicou que uma quarta parte das baixas médicas que ocorrem no Brasil estão relacionadas com doenças do tipo reumático.

Além disso, o médico tem a lamentar é muito frequente que os pacientes com patologias este tipo ide “de especialista em especialista” até chegar ao reumatólogo.

O médico acrescentou que o rápido acesso dos pacientes aos serviços de reumatologia constitui um fator-chave para assegurar uma assistência efetiva.

Atualmente, entre 10 e 20 % das consultas com os médicos de família estão relacionadas com doenças autoimunes.

Nolla adicionou que a avaliação está em um momento “excelente”, graças à “eficácia extraordinária” os últimos fármacos desenvolvidos do tipo “biológico”, e avançou a chegada de novos tratamentos para essas doenças ainda mais eficazes.

O congresso, que reunirá mais de mil especialistas em reumatologia em Barcelona até o dia 21 de maio, servirá para dar a conhecer novos “alvos terapêuticos” e drogas, discutir a ligação entre a gota e o risco de doença cardiovascular e para expor técnicas inovadoras para detectar o que ocorre de forma mais precoce.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply